segunda-feira, 7 de novembro de 2011

# 204 - 05/11/2011

Desde que eu comecei a me interessar mais a fundo e a ler sobre musica acompanho um movimento contínuo: os críticos tentando emplacar e os músicos fugir dos rótulos. Ambos com suas justificativas: os primeiros pela necessidade de definir para melhor comunicar, os segundos, buscando escapar das limitações e amarras. Foi assim também com tudo o que veio depois do furacão punk, num movimento renovador a principio denominado genericamente como pos-punk, para logo em seguida se ramificar em infinitas variações como new wave, new romantic, synthpop, industrial, cold wave, gótico, dark wave ou simplesmente “dark”, termo que foi comum por um certo período no Brasil para denominar toda a musica, digamos, “triste”, que fosse ligado ao rock.

Nosso bloco de “rock triste” do programa de rock de sábado começou com “Valsa da lua”, do Silverblood, faixa “espacial” e climática retirada do disco “imperfection”, lançado em 1995 pela Cri Du Chat, selo independente brasileiro especializado em música eletrônica. Silverblood era um duo formado em Juiz de Fora, Minas Gerais, por Paulo Beto (programações) e Ana Claudia Romano (vocais) e seu trabalho sofria forte influencia dos quadrinhos, notadamente do Sandman de Neil Gayman.

Do underground dos anos 90 fizemos um salto regressivo rumo ao “quase mainstrean” dos 80, época em que o rock brasileiro era a musica que tocava nas rádios graças a nomes como RPM, Titãs e Legião Urbana, de Brasília. Foi lá, na capital federal, que surgiu o Arte no Escuro, mais uma daquelas apostas abortadas de majors em grupos que se destacam na cena independente. Tinha nos vocais Marielle, ex Escola de Escândalo e posteriormente vocalista do Volkana, banda de thrash metal feminina. Seu disco foi lançado pela EMI em 1988. Não foi “sucesso”, mas tornou-se “cult”.

Também de 1988 é o segundo LP do Hojerizah, “pele”. A banda foi formada em 1983, no Rio de Janeiro, por Toni Platão, Flávio Murrah , Marcelo Larrosa e Álvaro Albuquerque e alcançou sucesso nacional com a música “pros que estão em casa”. Nunca “estouraram”, mas ocuparam pelo tempo em que existiram o posto de banda mais promissora do chamado “segundo escalão” do rock brasileiro daquela década. Toni Platão segue em carreira solo, tendo cantado recentemente no Tributo ao Legião Urbana realizado no Rock in rio, quando deixou evidente, pelo menos para mim, que se tem alguém com cacife para substituir Renato Russo numa hipotética e altamente improvável volta da banda brasiliense, seria ele. De quebra, ainda fez uma justa e decente homenagem a Redson, do Cólera, então recém- falecido.

Encerrando o bloco, duas faixas de bandas obscuras: Ocaso, de Duque de Caxias, baixada fluminense, e Pompas Fúnebres, de Brasília. Esta última, mesmo com uma técnica sofrível e não tendo gravado nenhum disco, apenas uma demo em k7 de 1990, adquiriu status de “Cult” na cena gótica nacional.

Estes e outros grupos, mais ou menos conhecidos, podem ser ouvidos na impressionante coletânea “under the southern Sun”, compilada pelo produtor musical Raniere Santana, que você encontra clicando aqui - http://musicaindiebr.blogspot.com/2008/06/under-southern-sun-chronology-of-post.html

O programa começou com um passeio pelos Estados Unidos da América através do Hard Core/crossover e terminou com uma imersão no disco “The Dark Side of the moon”, do Pink Floyd, que acaba de ser relançado em diversas versões, dentre elas uma chamada, justamente, “immersion”. Tocamos uma versão demo de “Money” gravada por Roger Waters com apenas um violão, duas faixas inéditas nunca antes lançadas oficialmente pela banda e algumas retiradas de um mix anterior do disco, de 1972, com curiosidades como os primeiros improvisos do saxofonista Dick Parry em “Us and then” e a ausência dos vocais de Clare Torry em “The Great gig in the Sky”.

No recheio, novidades do Autoramas, do Eddie, de Karina Buhr e dos sergipanos da Maria Scombona, que se preparam para lançar seu terceiro disco em vinil prensado na republica checa! “Mundo interior” é uma homenagem aos nomes de povoados da Terra Serigy, como Pé do veado e Cruz da Donzela.

Semana que vem tem mais.

A.

# # #

Minor Threat - Filler
Cryptic Slaughter - Money Talks
DRI - Acid Rain
Agnostic Front - We want the truth
Suicidal Tendencies - How will I laugh tomorrow

EQM - Outros dias

Pez - introducciondeclaracionadivinanza
Pez - Latigazo
( Drop Loaded )

Karina Buhr - Cara palavra
Autoramas - Abstrai
Eddie - Veraneio
Maria Scombona - Mundo interior

Morrissey - People are the same everywhere
Crove Horrorshow - Sem grana

Silverblood - Valsa da lua
Arte no escuro - Beije-me cowboy
Hojerizah - A pele
Ocaso - Somnium
Pompas Fúnebres - Ulalume

Pink Floyd - "The Dark Side of the moom immersion"
# The Hardway (Household objects project)
# The Travel sequence (previously unreleased)
# Money (Roger Waters demo)
# The Great gig in the sky (Early mix 1972)
# Us and then (Early mix 1972)
# Any colour you like (Early mix 1972)
# Brain Damage (Early mix 1972)
# Eclipse (Early mix 1972)

3 comentários:

  1. Augusto de Andrade7 de novembro de 2011 16:13

    opa!!semana que vem teremos um especial com o Pink Floyd...massa!!

    ResponderExcluir
  2. Não! Já rolou, foi semana passada.

    ResponderExcluir
  3. Mas de repente dou sequencia ...

    ResponderExcluir