terça-feira, 10 de novembro de 2009

The Second Coming

Fonte: Terehell

Ex-Maquinaria

por Fernando Castelo Branco

Foto: Marcos Hermes

E em SP, acreditem, faz, às vezes, um calor digno de nem sentir saudade de casa. Nessas horas a conhecida deselegância discreta das paulistanas tira do armário até saída de banho pra tentar aliviar o calorão. Mais sobre o tempo adiante...

Vou pedir a vocês um "boooo" virtual pros organizadores do Terra e do Maquinaria, que não chegaram a uma decisão inteligente sobre datas e trombaram os dois festivais. Mau pros dois. Nenhum conseguiu repetir os 30 mil presentes do Radiohead em março passado. Um racha, evidentemente. Creio que muitos que foram ao Terra acharam que o festival seria mais "adulto", enquanto o Maquinaria agradaria a pivetada "nóinha", na gíria paulistana.

Puro engano. A platéia do Maquinaria era basicamente dos trintões que curtiram Faith No More e Jane's Addiction nos anos 90, e continuaram vislumbrando a influência dessas no trabalho dos Deftones, lá pela segunda metade da mesma década. Perdi Nação Zumbi e Sepultura. Uma série de fatores: clima, distância e saco pra ficar em pé com uma das pernas toda detonada. Mas Chino Moreno e companhia já valeram de cara isso tudo. Com aparência bem mais saudável, Chino puxou novos e velhos sucessos de todos os discos e inaugurou a interação com a platéia, pra desespero dos seguranças. Só senti falta de "Back to School", de resto o baixista-estepe segura a ausência de Chi Cheng, ainda hospitalizado devido a um acidente de carro há quase um ano.

Entre um show e outro, respectivamente, Sayowa e A Maldita. Coincidência ou não, bandas que já trabalharam na gringa com os produtores do Maquinaria...A primeira investe num som com percussão, meio batido. A segunda vai de hard-power-pornô, nada novo embaixo do sol desde Screaming Jay Hawkins, Alice Cooper ou, mais recentemente, Marylin Manson. Mais sobre entre-shows adiante, junto com o tempo.

Jane's Addiction fez um show correto. O show que se espera de uma banda como eles. Tudo é muito profissional. Um belo pano de fundo usava uma gravura de uma caveira mexicana, estilo "dia dos mortos", o telão passou um trecho de um filme onde a banda é citada. Bailarinas, uma delas esposa do vocalista Perry Farrell, interagiram em "Three Days", "Summertime Rolls" e na jam final, com passistas de uma escola de samba (talvez o ponto baixo: clichê e brega). Dave Navarro deu pití com um fotógrafo, mas sem grandes consequências. Perry Farrell é o último dos andrógenos, uma coisa entre Bowie e Ney Matogrosso. Eric Avery fica lá no canto dele, sua permanência na banda parece algo burocrático e ele dá sinais claros disso, embora em momento nenhum o JA deixe de passar em grande estilo pelas músicas dos discos da formação clássica. Tudo profissional, direto e na medida.

Aí voltam o tempo e as entre-bandas. O céu fecha, já noite, e começa a chover. O vendedor de capinha de chuva (tão comum por lá quanto cambista) logo inflaciona o preço e o hino nacional começa a rolar no PA do palco Myspace. A Vanussa, será? Pior: Supla e seu irmão João Suplicy causaram 40 minutos de suplício (sic) com sua "bossa furiosa" nomeada "Brothers of Brazil". "Japa Girl" e chuva na moleira, o preço de esperar pelo Faith No More.

Ao som de "Reunited" (de Peaches & Herb, uma espécie de Jane & Herondi afro-estadunidenses), empunhando um guarda-chuva, óculos escuros, paletó vermelho-pomba-gira e uma bengala, Mike Patton dá o sinal pro começo dos cem minutos de fim do mundo com "From Out of Nowhere", daí desfila, de enfiada, clássicos de todos os álbuns da banda, com ênfase em "King for a Day - Fool for a Lifetime". Sempre conversando com a platéia num português canastrão, o FNM vai do namoro com o death metal em "Surprise You're Dead" à balada-xarope "Easy" (dos Commodores de Lionel Ritchie) sem cerimônia. "Evidence" tem a letra vertida para o português e "Caralho Voador" não fica fora do set. Algumas músicas foram bastante espichadas pelas loucuras e bizarrices de Patton, como fingir um ataque de tosse e vômito em "Midlife Crisis", ou fazer quem pagou 450 reais na àrea VIP gritar "pôrra,caralho" como se fosse uma criança boca-suja de seis anos. Podia ter aproveitado pra tocar coisas como "Falling to Pieces" ou "Zombie Eaters", mas dou um desconto por terem privilegiado bastante material de "Angeldust", um de seus discos mais "difíceis" e sub-estimados.

Escaldado de chuva e da espera por um táxi no meio da madrugada, escapuli antes do segundo bis, mais um momento Antena 1, depois de uma versão matadora de "We Care a Lot". São Paulo amanheceu fria e meio com cara de chuva, mas daí só me restou entulhar a mala e me escafeder.

P.S: Graças a um amigo com vivência e bons contatos na paulicéia pude ver na noite anterior ao Maquinaria a ressureição-relâmpago de 2/4 da primeira formação do Pin Ups num galpão desfarçado de lounge-chic na Barra Funda. Gracias, Erick!

--------

No Rio ...

Fonte: Portal Revoluta

por Deise Santos

04Em noite de premiação do Grammy, quem ganhou o maior e melhor prêmio da música foi o público do Rio de Janeiro, que presenciou um show épico da banda norte-americana Faith No More.
Desde o anúncio da “Second Coming Tour” a ansiedade cresceu entre os amantes de Mike Patton e sua turma. A possibilidade de ver o quinteto em ação fez o público carioca vencer o calor infernal que assolava o Rio de Janeiro, numa quinta-feira de primavera, e se dirigir à casa de shows na Barra.
A noite começou com o show da banda carioca Moptop, que fez um show pra uma casa já com um bom público e preparou o ambiente para que o Faith No More entrasse em cena.
O visual do show foi o mesmo de toda a “Second Coming Tour”. Cortinas vermelhas decoravam o fundo do palco, Mike Bordin estava todo de preto, Roddy, Billy e Jon de roupas sociais e Mike Patton todo de vermelho. Parece que os “meninos” apostaram nessa imagem clean, muito diferente dos anos 90, quando Patton tocava com roupas variadas, até com uniformes de fast-food e Roddy também ousava nos visuais. Sinais dos tempos e da maturidade da banda, que assim como o vinho, fica melhor a cada ano.
O show não poderia começar melhor, aos primeiros acordes de “Cowshit (Midnight Cowboy)” o público já sentiu que aquela seria uma noite memorável. Parecendo não querer perder tempo, a banda explodiu a sonoridade de “From Out of Nowhere” - uma viagem no tempo aos idos anos 90 – que fez o público vibrar. Na sequência, o vocalista provoca ao dizer que a música que irão tocar é uma homenagem ao seu primeiro amor, Iris Lettieri – locutora carioca, que trabalhava no Aeroporto do Galeão. Patton, em sua primeira passagem pelo Rio, ouviu a voz de Iris no aeroporto e ficou encantado – fato que tornou público no antigo programa “A Entrevista” na MTV (na época no canal aberto), quando disse ter ficado extasiado com aquela voz. Feita a provocação – já que Iris processou a banda por usar sua voz indevidamente no álbum Angel Dust -, eles dispararam uma versão de Evidence, com pitadas de brasilidade. E o show continuou com músicas de todos os álbuns.
Mas se a banda pensou que só iria surpreender, se enganou, porque o público também presentou a banda. Na hora da execução de “Midlife Crisis” veio a surpresa, Mike Patton admirado com o coro de mais de 4 mil pessoas que acompanhavam a banda, pediu que os músicos parassem de tocar e o público cantou à capela para o quinteto. Patton extasiado, virou-se de costas para a platéia e perguntou em português muito bem pronunciado: “E aí banda? O que dizer?”. Ovacionada pela platéia e depois de recuperar o fôlego, a banda retoma a música e segue com o show.
Sentindo-se em casa e orquestrando a platéia durante todo o concerto, Mike Patton comandou uma coreografia de braços em “Just a Man”, arriscou mais palavras em português como o elogio ao público: “Super Legal!” e até brincou de cavalinho com um dos seguranças, chegando mais perto da platéia, aumentando assim a interação com os fãs e o clima de festa entre amigos.
“We care a lot” ficou para o primeiro bis, mas foi o segundo bis, depois da banda sair e retornar ao palco com direito a um tropeço de Jon em um fio e cumprimentos de Roddy à la maestro de orquestra, que causou o maior burburinho e emoção entre banda e público. Ao ouvir os fãs pedirem Falling to Pieces! Falling to Pieces! Falling to Pieces! Mr. Patton se rendeu ao charme dos cariocas e falou em portunhol: “Solo porque estamos em Rio” – a música estava fora do set há algum tempo - e dispararam o hit que consagrou a banda por aqui. A surpresa foi ver que Patton não lembrava a letra toda, errou uma estrofe e recorreu a Bordin, que cantou um pedaço da música, para alegria dos fãs presentes. Nada que não possa ser perdoado, afinal a banda não toca pelos lados de cá há mais de uma década.
Resultado: quem foi não se arrependeu, que não foi ao menos deve procurar no youtube as dezenas de vídeo que foram feitos por algumas câmeras espalhadas entre os mais de 4 mil mortais que lotaram a casa de shows para poder comprovar, o quão memorável foi esse encontro entre o quinteto e o seu público.

Um comentário:

  1. MAQUINARIA + DOSOL = TÁ LINKADO:
    http://vivalabrasa.blogspot.com/

    ResponderExcluir